Como já diria o poeta, beleza é fundamental. E uma forte aliada desse ideal é, sem dúvida, a cirurgia plástica. Mais do que aperfeiçoar o corpo humano, esse tipo de procedimento pode proporcionar acima de tudo melhoras funcionais e de autoestima. É considerada tão necessária quanto qualquer outra intervenção cirúrgica.

De acordo com a sua finalidade, a cirurgia plástica pode ser tanto reparadora quando estética.

Reparação – A Cirurgia Plástica Reparadora tem como objetivo corrigir os mais variados tipos de lesões, desde aquelas causadas por tumores ou cânceres de pele, como a reconstrução mamária após a cirurgia de câncer de mama; até mesmo a reparação de defeitos congênitos ou adquiridos, como sequelas causadas por acidentes, fratura de ossos da face, queimaduras graves, e na correção de malformações da face, como o lábio leporino.

Estética – A Cirurgia Plástica Estética é aquela realizada com o objetivo de melhorar a aparência de alguma região do corpo. A motivação vem muitas vezes do próprio paciente, que pode estar insatisfeito com a feição adquirida por alguma região de seu corpo durante o desenvolvimento ao longo do tempo. Um exemplo é o caso de mamas muito grandes, que podem causar inclusive dores cervicais. Problemas como este costumam trazer ao paciente grandes dificuldades de convivio social, constrangimentos ou problemas funcionais.

Plástica no Brasil

Famoso por suas belezas naturais, o Brasil também é reconnhecido mundialmente como pólo de referência em cirurgia plástica. Daqui saem os melhores profissionais e as técnicas mais inovadoras. Atualmente, as duas cirurgias plásticas estéticas mais realizadas em solo brasileiro são a lipoaspiração e o implante de prótese de silicone nos seios.

Sejam nestes ou em qualquer outro tipo de cirurgia plástica, o médico deve prestar especial atenção para que a que a zona afetada mantenha o seu funcionamento e, na medida do possível, um aspecto natural. Por essa razão, a base do tratamento cirúrgico deve ser centrada na interação franca e objetiva entre médico e paciente, para que ambos estabeleçam as formas de tratamentos que melhor se adequem aos seus objetivos em comum. Ao procurar o cirurgião, o candidato deve expor os problemas da forma mais ampla e sincera possível, suas expectativas, medos e dúvidas. O bom cirurgião plástico saberá convergir os anseios do paciente às melhores opções indicadas a cada caso.

Formação técnica do Cirurgião Plástico

Para se tornar Cirurgião Plástico, o médico deve fazer residência médica em Cirurgia Geral por 2 anos e, após concurso, ingressar em um serviço de Residência Médica credenciado pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica. Após 3 anos de treinamento nas áreas estética e reparadora, o cirurgião deve fazer um exame para avaliação de conhecimentos pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, denominado Título de Especialista em Cirurgia Plástica. Somente então, após a aprovação nessa prova, poderá o médico em questão ser reconhecido como Especialista em Cirurgia Plástica.