10 abril 2017,
 0

Todo cirurgião plástico convive diariamente com pacientes que entram em seus escritórios a procura de resultados que não podem ser alcançados com cirurgias: desejo de se parecer com suas celebridades favoritas, salvar um relacionamento, curar sua depressão ou várias outras razões não ideias. Depois de mostrar o possível resultado, por meio de imagens de antes e depois, muitos pacientes acabam percebendo que é necessário repensar em suas expectativas e se conformar com o resultado. Mas o que fazer com aqueles que já vêm para consulta movidos por razões erradas?

Não é complicado diagnosticar pacientes que sofrem de algum problema de saúde que os impede de realizar cirurgias plásticas: anorexia nervosa, diabetes e distúrbios hemorrágicos, por exemplo. No entanto, fatores não físicos acabam sendo características menos notáveis e podem passar despercebidas. Esses pacientes com “segundas intenções” se tornam os mais prováveis a não se sentirem satisfeitos após a cirurgia por conta de esperarem resultados irreais, e isso acaba prejudicando a publicidade do médico e sua clínica, já que pacientes descontentes não fazem boa propaganda.

Para evitar realizar procedimentos em pessoas que esperam “o impossível” é importante fazer as perguntas certas e estabelecer uma relação médico-paciente sólida. As melhores perguntas logo de início são as mais abertas (em vez de simplesmente “sim” e “não”) e os tópicos tratados devem ser: o que o paciente quer mudar, o porquê dessa mudança e o que irá mudar na vida dele após o procedimento. É com essa conversa que fica mais fácil identificar a motivação por trás do pedido, analisar se é um desejo pessoal ou uma forma de agradar outra pessoa, seja no trabalho ou vida pessoal.

Ouvir atentamente o que é dito e não dito é essencial. Quando a pessoa se sente à vontade para confiar no doutor ela irá dizer (direta ou indiretamente) o que é preciso para que ele decida se irá operar ou não. Mesmo se o médico decidir não realizar a plástica, ele pode recomendar algum procedimento não cirúrgico e menos invasivo, outras orientações como medicamentos ou simplesmente uma mudança no estilo de vida com atividades físicas e uma alimentação mais saudável.

Dado vindo da Sociedade Internacional de Cirurgia Plástica Estética (ISAPS) diz que cerca de 30% dos pacientes são rejeitados por um cirurgião plástico por não terem expectativas reais. Por isso, na hora da decisão o mais importante são os questionamentos: a cirurgia solicitada pode ser feita com segurança? Existem mais chances de sucesso ou de fracasso?

Fonte: SBCP

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *